quarta-feira, 31 de março de 2010

Frank Dileo fala sobre Michael e sobre os shows em Londres

FRANKLY SPEAKING An exclusive HITS interview with Frank DiLeo

Industry vet Frank DiLeo, who was the manager of Michael Jackson from 1984 through 1989, returned to the fold to help guide the superstar through his “This Is It” concerts and presumably beyond, but it was not to be. Here, the industry veteran shares his thoughts with HITS’ own ambulance-chasing Roy Trakin.

Q. This is like Godfather III… Just when you thought you were out, they pull you back in. How did you get involved with Michael again?
Michael first called me a couple of years ago, after he came back from Bahrain, then was in Ireland and Vegas for a while. We chitchatted, he called again and we started communicating about film projects. There were a couple of scripts we wanted to develop and produce. Then he got involved in this concert deal.
He called me in March and said, “Frank, I need someone with a little bit of experience. Would you like to manage me again and take care of all this stuff?” And I said, “Yeah, sure.” By the time I came in, everything was signed. Dr. Thome Thome—who is someone I don’t want to talk about in this interview—had miscalculated the scheduling on the dates, which is something I had to take care of, because Michael didn’t want to perform more than twice a week.

Q. Was Michael aware that he was signing for up to 50 individual shows?
Absolutely. I read the contract. I know what the minimum amount of dates were, as well as the maximum number of dates. That contract was read to Michael by three different lawyers, as well as Dr. Thome. He wanted to beat Prince’s record and be in the Guinness Book of World Records. He was the one who picked the number 50. There were enough ticket sales to do 85 shows, but he was zeroed in on 50. That’s what he wanted and that’s what happened. Dr. Thome had him doing three or four shows a week, though. I was adjusting and moving dates to try to make it more palatable for Michael to do.

Q. What had you been doing since managing Michael the first time?
I was in New York with a management company in the ’90s. I retired for a while and spent some time with my son and daughter, seeing them through college. My kids didn’t get a lot of time with me growing up because I was on tour so much, so I felt I owed them that. And that lasted seven years. I did a lot of consulting work. I owned a piece of Tribeca Grill with Robert DeNiro, which did very well. In 2004 I lost my eyesight, and it’s taken six operations to enable me to see. I still have limited vision. It was a diabetic condition that separated the retina. I lost complete sight in one eye and 80% in the other eye. It took two years for them to figure that out. There’s a lot of scar tissue still, and I don’t see well in light. I have to wear dark glasses all the time. I have to move my head to see certain letters because I have a permanent “V” in my vision.

Q. You sat in on most of the rehearsals.
Every single one. He was in good condition. He was working out with Lou Ferrigno. He was dancing over three hours every day after his workout. He was prepared. A lot of times he would watch and direct. These are songs he’s sung his whole life. He didn’t have to go full out every day. The last couple of weeks, he stepped it up.
On the night before he died, when he came down after doing 10 or 11 songs, Kenny Ortega was at the bottom of the stairs, we all hugged and Michael put his arm around us and we around him, to walk him to his dressing room. And he said, “Frank, I’m ready. I’m doing all 50 shows. Don’t even think that I’m not.”
We talked about possibly doing stadiums after the 50. He said, “Frank, I’ve never been happier. Since you’ve been back, things are going well. I can see the light at the end of the tunnel. We did it once. This is our time to do it again.” And that was the last time I saw him alive.

Q. People were saying Michael was down to 110 pounds and wasn’t in good physical shape.
No, that’s all bullish. He was not down to 110 pounds. He was around 140. At his maximum, he was maybe 155.

Q. You’re telling me this is a very confident guy, ready to take on this challenge.
He knew he was 50 and that the other dancers were young. He built his stamina up to the point where he knew he could do it. Michael’s a competitive guy.
I don’t care whether you’re five years old or 40, you’re not going to out-dance Michael Jackson. He’s gonna put it to you sooner or later. And he worked himself up to that.

Q. How did you originally hear about Michael falling ill?
A fan called and said there was an ambulance in front of Michael’s house. I had just sat down to lunch. I called Michael’s assistant and asked what was going on, and I was told there was something wrong and he was on his way over there. So I got in my car and drove over. When I got to the gate, they told me everyone had already left. I turned around and went to UCLA Medical Center, and while I was in the car, Katherine called and I told her she should meet us at the hospital.
So we went in the back, and they were working on him in the room. So I thought he was going to be OK. Then the nurse came out, she looked at me and I looked at her… I almost fainted. The look told me it was over, but they would keep working on him until his mother arrived.
Meanwhile, the kids were all there, in another room. I had to go in with a doctor and a social worker to tell them what happened. And those are two things I never, ever want to do again. Excuse me a minute, I might cry here. Let me get a sip of water.

Q. What was the children’s reaction?
Exactly what you think it would be: [they] ran up to me, grabbed me, crying and screaming. Finally, Jermaine and LaToya showed up, then Randy… And a social worker started talking to all of them. Meanwhile, I was dealing with the press, trying to keep everybody out, and set up some security.
At that point, they said the kids wanted to see their dad. So they moved Michael into a room and covered him. I went in first, got a chance to hug him, kiss him and say goodbye, and 20 minutes later, the kids and the rest of the family got to do the same thing.
Everybody forgets. Michael wasn’t just a client to me; he was my friend. I always managed him from that basis. We were friends in the ’80s, and we were friends after he fired me. We were always friends.

Q. Were you aware that Michael had a prescription drug problem?
I didn’t know. I realize it’s come out that he did go to rehab. I asked him in March about it, and he got very indignant. He said, “Frank, do you think I would do something that would jeopardize my kids and leave them alone? Don’t be ridiculous.”
So what do you say? Do addicts ever admit they’re doing drugs? No. So, I got to take the man’s word. He’s 50 years old. How far could I push him? I never heard of the stuff he supposedly took [propofol]. When I heard about that on TV, I couldn’t believe it.

Q. Do you have any opinion about the two doctors under investigation, Dr. Arnold Klein and Dr. Conrad Murray?
Michael’s gone to Dr. Klein for years. I don’t know how Michael met Dr. Murray. Michael brought him up to me when he mentioned that part of his contract required AEG to hire him a doctor to be with him in London, and he specified he wanted Dr. Murray, claiming he was his family doctor. The original price he asked for was outrageous. I told Michael I could buy him a whole hospital for that kind of money.

Q. The press reports said AEG was paying him $150k a month.
That’s what I OK’d. What he originally asked for was astronomical. AEG did not hire the doctor. That was Michael’s doctor for months. AEG just advanced him the payment, which was part of the budget.
I had one meeting with him, making sure Michael had the right vitamins, what kind of smoothies to make, should it be G2 or Gatorade after the show? He told us he was a cardiologist, and I said, “Michael, this is perfect. Because I’ve already had three heart attacks and I have seven stents in my heart. If I drop over in London, this guy’s right there.”

Q. Dr. Murray was the last man to see Michael Jackson alive.
He was, yes. Nobody knows what happened in that room. We have to wait for the toxicology and the autopsy. I do know the preliminary autopsy said Michael’s organs were in good shape, his liver was good, his heart was strong. They said he did not have a heart attack. It had to be some sort of allergic reaction or something that didn’t blend right. There was some sort of reaction.

Q. Where does that leave you at this point?
There are a few things that have to get cleared up. I have to make sure the estate understands some of the things that I know. I’ve been appointed to the board of Sony/ATV Music Publishing. So I have a role to play there.
Michael wrote the letter getting me appointed. After they removed Dr. Thome, they added myself and Joel Katz.

Q. Does it sadden you to see how the family’s inner disagreements are now being aired in public?
It’s sad to the point that there’s a lot of misinformation. The family didn’t know what was going on. They didn’t see Michael every day like I did. He was the closest to his mother and his kids. But I gave him that personal space to be with his family.
Some of them are talking about things I don’t think they have the knowledge to talk about. That’s just emotion. They have to face the facts and make some decisions.

Q. What was Michael’s relationship like with his father?
Joe was his father, and that’s what Michael wanted. He didn’t want to know about any business. He just wanted him to be his father. He wanted to be loved as a son, not a commodity.

Q. Did he ever get that?
I don’t know. Watch the Larry King interview with Joe Jackson and you make that determination. It was a train wreck.

Q. You must still be in a state of shock.
Michael created one of the greatest shows ever, a $27 million production. I went through it with him every day. It’s sad that people will never get to see that. But the key thing here is that I lost my friend. That’s what matters to me. All this other stuff is what it is.

Q. Where is your nickname “Tookie” come from?
That’s derived from the name “Tookie.” The chief of police in Pittsburgh came to see my dad when I was born and called me that. Then it became “Tukkie” when I met my wife. Everybody I know from childhood calls me “Tookie.”
For everybody after I met my wife, it’s “Tukkie.” We’ve been married for 32 years. I’m the only guy in the record business who’s never had to go to rehab or get a divorce.


Essa entrevista é ótima para calar a boca de alguns idiotas.
Se é que alguém aqui não sabe, Dileo foi uma das pessoas mais próximas a Michael e por anos! Pontos mais importantes:
Michael não estava pesando cerca de 50 kg, chegou a pesar até 70;
Michael tinha consciência dos 50 shows, ele queria isto;
O preço inicial exigido pelo tal doutorzinho de *****( desculpem-me a palavra) foi absurdo, ou seja, ele queria era grana mesmo... da grossa!;
Ele esteve ótimo em todos os ensaios, chegava a dançar 3h sem parar e estava muito feliz com isso;
Resultados preliminares da autópsia concluíram que seus órgãos estavam em ótimo estado e que seu coração era forte, descartando assim um ataque cardíaco e supondo talvez uma reação alérgica.

Q. Isto é como Padrinho III... Só quando você pensou que você estava fora, eles te puxaram devolta. Como você se envolveu com Michael novamente?

F. Michael primeiro me chamou a um par de anos atrás, depois que ele voltou da Arábia Saudita, então foi na Irlanda e Las Vegas por um tempo. . Nós conversamos casualmente, Ele me chamou de novo e começamos comunicando sobre projetos cinematográficos. Havia um par de scripts que queríamos desenvolver e produzir. Então ele ficou envolvido neste acordo do concerto.
Ele me chamou em Março e disse: "Frank, eu preciso de alguém com um pouco de experiência. Gostaria de dirigir-me novamente e cuidar de tudo isso?” e EU DISSE: “ YEAH, com certeza.” Até ao momento em que cheguei, tudo já estava assinado. Dr. Thome Thome — é alguém que eu não quero falar nesta entrevista – calculou mal a programação nas datas, o que é algo que eu tinha que cuidar, porque Michael não pretendia efetuar sua perfomance mais de duas vezes por semana

Q. Michael estava consciente de que ele estava assinando para até 50 shows individuais ?

F. Absolutamente. Eu li o contrato. Eu sei o que o montante mínimo de datas eram, assim como o número máximo de datas. Este contrato foi lido para o Michael por três diferentes advogados, bem como o Dr. Thome. Ele queria bater o recorde do Prince e estar no Guiness Book of World Records. Ele foi um dos que escolheu o número 50. Houve bastante vendas de bilhetes para fazer 85 shows, mas ele estava zerando em 50. Isso é o que ele queria e foi o que aconteceu. Por Dr. Thome ele faria três ou quatro shows por semana, no entanto. Eu estava ajustando datas e movendo para tentar tornar mais “saboroso” para o Michael fazer.

Q. O que você estava fazendo antes de dirigir Michael pela primeira vez?

F. Eu estava em Nova Iorque com uma empresa de gestão nos anos 90. Eu me aposentei por um tempo e passei algum tempo com meu filho e filha, para vê-los através do colégio.
Meus filhos não tiveram muito tempo comigo, porque eu estava crescendo tanto em turnê, então eu senti que eu devia-lhes isso. E que durou sete anos. Eu fiz um monte de trabalho de consulta.
Eu tinha um pedaço de Tribeca Grill com Robert Deniro, que fez muito bem. Em 2004 eu perdi minha visão, tive que fazer seis operações para permitir-me a ver. Eu ainda tenho visão limitada. Foi uma circustância de diabético que separou minha retina.eu perdi completamente a visão de um olho e 80% de outro olho. Levou dois anos para se descobrir isso. Existe uma grande quantidade de tecido cicatricial ainda, e não vejo bem na luz. Tenho de usar óculos escuros o tempo todo. Tenho de mudar a minha cabeça para ver algumas letras, porque eu tenho um permanente "V" na minha visão.

Q. Você estava*, na maioria dos ensaios.
*não tenho certeza

F. Cada um. Ele estava em bom estado. Ele estava trabalhando com Lou Ferrigno. Ele estava dançando durante três horas todos os dias depois do seu exercicio. Ele estava preparado. Um monte de vezes que foi assistir e dirigir. Estas são canções que ele cantou por toda sua vida.
Ele não tinha que ir a cada dia completo. O último par de semanas, ele intensificou-se.
Na noite antes de morrer, quando ele veio para baixo depois de fazer 10 ou 11 músicas, Kenny Ortega estava no fundo das escadas, todos abraçaram e Michael colocar o braço em torno de nós e em torno dele, ele andou ate seu camarim. E ele disse: "Frank, eu estou pronto. Estou pronto para fazer todos os 50 shows. Não ache que eu não sou."
Conversamos sobre possivelmente fazendo estádios após os 50 shows. Ele disse, "Frank, eu nunca tinha sido feliz. Uma vez que você está de volta, as coisas estão indo bem. Posso ver a luz no fim do túnel. O Fizemos uma vez. Esta é a nossa vez de fazê-lo novamente. "E essa foi a última vez que o vi vivo.

Q. As pessoas estavam dizendo Michael caiu para 110 libras e não estava em boa forma física.
*110 libras seria como se Michael estivesse por volta de 50 quilos.

F. Não, isso é tudo expeulação. Ele não estava a baixo de 110 libras. Ele era de cerca de 140. No seu máximo, ele foi talvez 155.

Q. Você está me dizendo que este é um cara muito confiante, pronto para assumir este desafio.

F. Ele sabia que ele tinha 50 e que os outros dançarinos eram jovens. Ele construiu a sua resistência até o ponto em que ele sabia que podia fazê-lo. Michael é um cara competitivo.
Eu não me importo se você está com cinco anos ou 40, você não está indo para fora dançar Michael Jackson. Ele colocara isso em você mais cedo ou mais tarde. E ele trabalhou em sí.

Q. Como vc inicialmente ouviu sobre Michael adoecer?

F. Um fã me chamou e disse que havia uma ambulância na frente da casa de Michael. Eu tinha apenas sentado para almoçar. Chamei o assistente de Michael e perguntei o que estava acontecendo, e foi-me dito que havia algo errado, e ele estava no caminho até lá. Então eu entrei no meu carro e dirigi ate lá. Quando eu cheguei à porta, eles me disseram que todos já haviam saido. Eu virei e fui ao UCLA Medical Center, e enquanto eu estava no carro, liguei para Katherine e eu disse a ela que ela deveria encontrar-nos no hospital.
Então fomos atras, e eles estavam trabalhando com ele no quarto. Então eu pensei que ele ia ficar bem. Em seguida, a enfermeira saiu, ela olhou para mim e eu olhei para ela ... Eu quase desmaiei. O olhar me disse que tinha terminado, mas que iriam continuar trabalhando para ele até a mãe dele chegar.
Entretanto, as crianças estavam todos lá, em outra sala. Eu tinha que ir com um médico e uma assistente social para dizer-lhes o que aconteceu. E essas são duas coisas que eu nunca, nunca quero fazer de novo. Desculpe-me um minuto, eu poderei chorar aqui. Deixa-me tomar um gole de água.

Q. Qual foi a reação das crianças?

F. Exatamente o que você acha que seria: [eles] correram até mim, me agarraram, chorando e gritando. Finalmente, LaToya e Jermaine entraram, em seguida, Randy... E uma assistente social começou a falar com todos eles. Entretanto, eu tinha que lidar com a imprensa, tentando manter todo mundo fora, e criar alguma segurança.
Nesse ponto, disse que as crianças queriam ver seu pai. Então, eles passaram Michael em uma sala e cobriram ele. Eu fui o primeiro, a ter a chance de abraçá-lo, beijar e dizer adeus, e 20 minutos depois, as crianças e o resto da família fizeram a mesma coisa.
Todo mundo esquece. Michael não era apenas um cliente para mim, ele era meu amigo.
Eu sempre o considerei a partir dessa base. Nós éramos amigos nos anos 80, e nós éramos amigos depois que ele despediu-me. Fomos sempre amigos.

Q. Voce estava consciente de que Michael havia uma prescriçao de remedio?

F. Eu não sei. Eu percebo é que ele fez algo para desintoxicação. Perguntei-lhe, em Março de sobre ele, e ele ficou muito indignado. Ele disse, "Frank, você acha que eu faria algo que iria prejudicar os meus filhos e deixá-los sozinhos? Não seja ridículo. "
Então, o que você diria? Do toxicodependentes nunca admitir que eles estão usando drogas?
Não. Então, eu tenho de tomar a palavra do homem. Ele tem 50 anos. Até onde eu poderia empurrar ele? Eu nunca ouvi falar de coisas a que ele supostamente tomou [propofol]. Quando eu ouvi sobre isso na TV, eu não podia acreditar.


Q. Você tem alguma opinião sobre os dois médicos que estão sob investigação, Dr. Arnold Klein e o Dr. Conrad Muray?

F. Michael freqüentava o Dr. Klein por anos. Eu não sei como Michael conheceu o Dr. Muray. Michael o mencionou a mim quando afirmou que o contrato com a AEG exigia que ele fosse acompanhado por um médico em Londres, e ele havia especificado que queria o Dr. Murray, dizendo que ele era o médico da família. O preço original do Dr. era um escândalo. Eu disse a Michael que poderia lhe comprar um hospital inteiro com todo aquele dinheiro.

Q. As reportagens da mídia dizem que a AEG pagava $150K* por mês a ele.
*nota: 'K' se refere aqui como valor de cotação de um moeda paralela ao dólar americano, provavelmente a moeda Kyat. Se alguém souber os valores, informe por obséquio! ; )

F. Isto foi o que eu acordei. A quantia que ele originalmente pediu foi absurda. A AEG não contratou o doutor, ele era o Dr do Michael por meses. a AEG só adiantou o pagamento dele, era parte do orçamento. Eu tive um encontro com ele, pra ter certeza de que Michael estava tomando as vitaminas certas, o tipo certo de bebida hidroeletrolítica, devia ser G2 ou Gatorade após o show? Ele nos disse que era cardiologista e eu disse, "Michael isto é perfeito. Porque eu já tive três ataques cardíacos e eu tenho sete stents* no coração. Se eu cair mal em Londres, este cara vai estar logo ao lado."

*nota: stents são incisões feitas nas artérias coronárias afim de evitar cirurgias de pontes de safena.

Q. Dr. Muray foi o último homem a ver Michael Jackson vivo.

F. Sim, ele foi. Ninguém sabe o que aconteceu naquele quarto. Nós temos que esperar o exame toxicológico resultante da autópsia. Eu sei que a conclusão preliminar do exame diz que os órgãos de Michael estavam em boas condições, o fígado estava bom, o coração forte. Eles afirmaram que ele não teve um ataque cardíaco. Que devia se tratar de alguma reação alérgica ou algo que não se comportou direito. Houve algum tipo de reação.

Q E como você fica neste momento?

F. Algumas coisas ainda terão de ser esclarecidas. Eu tenho que fazer o espólio tomar conhecimento de algumas coisas que sei. Eu fui apontado para o conselho de administração da Sony/ATV Music Publishing. Então eu tenho um papel a desempenhar lá. Michael escreveu a carta me designando. Após eles terem removido o Dr. Thome, eles adicionaram eu e Joel Katz.

Q. Fica triste vendo os desentendimentos internos da família se revelando publicamente?

F. É triste no ponto em que há muita desinformação. A família não sabia o que ocorria. Eles não viam Michael todos os dias, como eu. Ele era mais próximo da mãe e de seus filhos. Mas eu dei a ele o espaço privado pra ele estar com a família. Alguns deles estão falando sobre coisas que não acho que tenham conhecimento para discutir. É pura emoção. Ele têm de encarar os fatos e tomar decisões.

Q. Como era a relação de Michael com o pai?

F. Joe era o pai dele, e era isso que Michael desejava. Ele não queria lidar com negociações. Ele só queria que ele fosse pai. Que ele o amasse como filho, não como uma mercadoria.

Q. E ele alguma vez conseguiu isto?

F. Eu não sei. Veja a entrevista do Larry King com Joe Jackson e faça seu próprio julgamento. Foi um desastre.

Q. Você ainda deve estar em choque.

F.Michael criou um dos maiores show que já se viu, uma produção de 27 milhões. Eu acompanhava tudo com ele todos os dias. É triste que as pessoas não mais poderão ver(o show). Mas a coisa maior aqui é que eu perdi meu amigo. Isto é que importa pra mim. Todo o resto fica de lado.

Q. De onde veio o seu apelido 'Tookie'?

F.Veio derivado do nome "Tookie." O chefe de polícia de Pittsburgh veio visitar o meu pai quando nasci e me chamou disto. Daí virou "Tukkie" quando eu conheci minha esposa. Todo mundo que conheço desde a infância me chama assim. Pra todo mundo após eu conhecer minha esposa é Tukkie. Estamos casados há 32 anos. Eu sou o único cara na indústria da música que nunca teve de ir pra reabilitação ou foi divorciado.


Um comentário:

  1. vou falar de um homem que tinha o coraçôa mais puro e sinsero do mundo .eu nâo era f nem tôA PUCO CONHECIA A HISTORIA DELE MAS DEPOIS QUE ELE SE FOI SENTI UM VASIO Tôa grande que paresia que eu o conhesia À anos michael te amo muinto de mais sei que um dia poderei te encomtrar yo love yu forever.


deixe uma mensagem que será bem vinda